Salvação à vista- Maya Santana-JB Ecológico-04.11.04

Finalmente, a Rússia decide aderir ao Protocolo de Kyoto, mas o maior poluidor do planeta, os EUA, continua resistindo.

 

A longa espera terminou. Depois de sete anos de hesitação e de muita pressão da União Européia, a Rússia cedeu. E, para alívio geral, decidiu ratificar o Protocolo de Kyoto - único instrumento de que a humanidade dispõe para equilibrar a emissão dos gases causadores do aquecimento do planeta.

Contrariando uma forte corrente no país que se opunha à aprovação, sob alegação de que os prejuízos econômicos para a Rússia serão enormes, o presidente Vladimir Puttin, enviou o protocolo à câmara baixa do Parlamento, a Duma, no final de setembro. Três semanas mais tarde, veio a ratificação pela esmagadora maioria de 334 a 73 votos. A aprovação provocou euforia no mundo inteiro. Autoridades da EU (União Européia), em Bruxelas, estouraram champangne russa para comemorar a adesão.

Agora, falta apenas a aprovação da Câmara Alta para que o Protocolo seja sancionado por Puttin. É grande a expectativa, porque, a partir do momento em que o presidente russo fizer isso, começará a contagem regressiva para que o tratado entre em vigor, em 90 dias. Os especialistas alertam, no entanto, que depois de tanto tempo despejando os gases do efeito estufa na atmosfera, a redução das emissões é apenas um primeiro passo.

 

 

INSTRUMENTO INADEQUADO

 

O Protocolo ou Tratado de Kyoto foi criado em 1997, na cidade japonesa de mesmo nome. Ficou estabelecido que o pacto só começaria a vigorar quando fosse ratificado por pelo menos 55 países, responsáveis por 55% das emissões globais dos gases que provocam o efeito estufa. Até agora, 126 nações aprovaram o tratado(o Brasil assinou em agosto de 2002), mas, sem a Rússia, não é possível atingir os 55% das emissões. Isso, porque os EUA, o maior emissor, tem se recusado terminantemente a aderir ao tratado, alegando que sua aplicação prejudicaria economicamente o país.

Outro grande emissor dos gases responsáveis pelo aumento da temperatura na Terra(que ainda não mostrou disposição de aprovar o tratado) é a Austrália.

 

 

FIQUE POR DENTRO

 

O Protocolo de Kyoto é um tratado com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que provocam o efeito estufa. Ele estabelece que os países desenvolvidos terão a obrigação de reduzir a quantidade de gases poluentes em, pelo menos, 5% até 2012, em relação aos níveis de 1990.

O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo foi inserido no Protocolo de Kyoto, por sugestão do Brasil. E consiste basicamente na geração e utilização de energia que polua menos a atmosfera, como a eólica, solar, biomassa e outras. O grande problema é que, atualmente, a maioria dos países usa como matriz energética os combustíveis derivados do petróleo ou o carvão. Ambos liberam excesso de CO2, apontado como o maior responsável pelo efeito estufa. De acordo com especialistas, a Terra tem capacidade par consumir três e meio bilhões de tolenadas de carbono por ano. No momento, estamos emitindo aproximadamente o dobro, sete bilhões de tolenadas. Muito acima da capacidade de absorção do planeta.